15 de abril de 2013


Oceanário-Projeto TAMAR 

Zoológico/Parque da Cidade

Parque da Cidade/Teleférico 

Oceanário 

Orla de Atalaia 

Parque da Cidade 

Oceanário 

Praia dos Artista

Pôr-do-Sol 

Orla 

HISTÓRIA DA CIDADE
No início deste século Aracaju mais parecia um povoado que uma cidade capital. Em 1900 e 1910 os elementos característicos de urbanidade ainda não estão presentes, mesmo no centro, onde se instala os poderes político-administrativo-religiosos. A resolução do presidente da Província, Ignácio Barbosa, que no dia 17 de março de 1855 elevou o povoado de Santo Antônio de Aracaju à soberba de cidade e capital, não teve impacto imediato na fisionomia local. Mas é a partir daí que o núcleo primordial da cidade se desloca do Alto da Colina de Santo Antônio e desce para as margens do rio Sergipe, desenvolvendo-se na área compreendida entre a praça Fausto Cardoso e a praça General Valadão. Cerca de vinte anos depois, em torno da Igreja Catedral vamos encontrar várias construções onde os prédios públicos se erguem nas praças Fausto Cardoso, Guilherme de Campos e Olympio Campos. Numa área estreita, entre os prédios da Assembléia e o Palácio do Governo, se planta o Jardim Olympio Campos. Nos canteiros, nasce o 1º coreto de Aracaju, onde por anos felizes as famílias da capital (e vindas do interior) participaram de retretas e quermesses. Dois prédios que fazem a cara de Aracaju se erguem no quarteirão da praça Fausto Cardoso: a sede da Delegacia Fiscal e da Intendência Municipal. Enquanto que na praça da Matriz já existia, desde o final do século passado, o palacete do Tribunal de Relação, construído nos moldes do ecletismo neoclássico. As casas de moradores dos quarteirões dessas duas praças eram construções simples, residências com telhados de duas águas, portas e janelas com platimbandas ornadas por beirais. Estamos falando do tempo em que a iluminação era feita a querosene, com lampiões, exceto para alta burguesia, que tinha o privilégio de gás acetileno. No final da década, a rua larga da praça do Palácio foi revestida de pedras calcárias, que ainda hoje sustentam nossos pés na história centenária de Aracaju. Em 1911 e 1920 Aracaju já se impõe como maior centro urbano do Estado e a cidade mais industrializada de Sergipe, confirmando a visão política-administrativa de Ignácio Barbosa. João Fogueteiro, lá da antiga capital, São Cristóvão, foi vendo a sua pólvora mofar sem motivo para o fogueteiro de retorno da capital, - foi daí que veio o nome de João Bebe Água? Não, mas aí é outra história. É na segunda década do século vinte que os governantes se preocuparam com o aspecto urbano e isso se configura num ordenamento espacial mais condizente com as novas necessidades. A modernização implica em obras de infra-estrutura para o abastecimento de água, esgotos, energia elétrica, rede telefônica, rede urbana de transporte coletivos, isso tendo que manter o embelezamento das praças e ajardinamentos. Assim é que em 1912 a praça Fausto Cardoso recebe um monumento em homenagem a esse grande líder político, plantando-se novos jardins com dois coretos em estilo art-noveau, orgulho dos sergipanos que dali fizeram palco para retretas e manifestações cívicas. Outro monumento se ergue quatro anos depois, em 1916, na praça Olympio Campos com a estátua do Monsenhor, com um pequeno jardim em torno. Depois vieram as mudas de oizeteiros do Horto Florestal do Rio de Janeiro para arborização desta praça que o aracajuano está acostumado a chamar de Parque. Onde, no começo da década, em 1911, foi construído um prédio para funcionar a Escola Normal e Escola Modelo, hoje Centro de Turismo transformado em Rua 24 Horas. Na face leste da cidade, onde o antigo prédio do Atheneu pedia reforma para comportar maior número de alunos, recebeu nos meados desta década um segundo pavimento, passando do estilo neoclássico para o eclético. Depois estabeleceu-se no local a Biblioteca Pública do Estado. As grandes transformações urbanísticas aconteceram em torno das comemorações do primeiro Centenário da Independência de Sergipe, quando a Intendência associou-se ao Estado para um melhor tratamento urbanístico de Aracaju, por volta de 1920. Foi nesse contexto que a praça Fausto Cardoso passou por uma grande reforma, sendo então arborizada com figos-benjamim, (as palmeiras imperiais já estavam lá), atualização das fachadas dos prédios, passando então a predominar o estilo eclético, nessa onda de modernidade o Palácio do Governo sofreu (literalmente) uma reforma que se notabilizou pelo exagero decorativo de suas fachadas e platimbanda. O ápice dessa onde de modernização é antigo, entre 1921 e 1930, quando o antigo coreto da praça Almirante Cardoso dá lugar à instalação de um mictório público, possibilitando a permanência das pessoas mais tempo longe de casa ao tempo em que implantava uma política sanitarista introduzindo medidas higiênicas apelando para a colaboração dos cidadãos para uma cidade mais limpa. É aí que a praça Olympio Campos recebe o tratamento de Parque (Teófilo Dantas), com vários recursos urbanísticos, com uma gruta (diziam que no interior da gruta produzia minerais, estalactites e estalagmites); a Cascatinha, de onde nascia um regato por onde as crianças de então botavam para navegar seus barquinhos de papel. Foi construído um aquário (onde hoje está a Galeria de Arte Álvaro Santos) que na entrada do pavilhão exibia vitrines com peixes nunca vistos - tinha até peixe empalhado. Uma parte do Parque abrigava uma taba com a escultura metálica de dois índios circundados por quadro evocativo da primitiva selva, um recanto selvagem com plantas da Mata Atlântica. O lago das Ninfas já evocava a Mitologia. Theófilo Dantas caprichou em todos os detalhes ao tempo em que trouxe o maior benefício, que foi a eliminação definitiva do problema de enchacamento que a praça tinha. A inauguração do Parque Theófilo Dantas, em 1828, foi um marco de visão administrativa que agradou toda a população. Na praça Fausto Cardoso, os antigos coretos de ferro e madeira (Art-Noveau) são substituídos pela alvenaria de inspiração eclética, transformando as características estética da praça. E na década seguinte, entre 1931 e 1940, que o crescimento de Aracaju se desloca para a zona oeste, com o surgimento da ferrovia e o decréscimo dos serviços urbanos (em conseqüência da crise econômica que o Estado então enfrenta). Afora a reforma da Catedral (início em 1936 e término 10 anos depois), a construção de um novo prédio para a Biblioteca Pública do Estado (Art Décor) e a reforma do prédio antigo da Biblioteca, que teve a estrutura mantida mas perdeu seus belos elementos formais e ornamentais, passando a Diretoria de Finanças do Estado (até 1958), esta é uma fase que pouco acrescenta ao perfil já moldado de Aracaju. Com 150 anos, Aracaju ainda guarda uma boa memória do tempo de formação da capital; sendo fundamental a preservação dos prédios e monumentos que fazem nosso patrimônio público. Significado do Nome

Aracaju significa cajueiro dos papagaios, palavra composta dos elementos: ará = papagaio e acayú = fruto do cajueiro. Essa interpretação tem grande vigência, embora existam outras versões. 
Aniversário da Cidade:
17 de Março
Gentílico:
aracajuano
População:
570.937 habitantes 
CARACTERÍSTICAS:
Primeira Cidade planejada do Braisl, a costa de Aacaju começe na Barra do Rio Sergipe, ao norte e vai até foz do Rio Varza-Barris, ao sul, totalizando cerca de 25Km de praias. O Rio Sergipe banha a ali mesmo encontra-se com o Mar. Ocupada uma planníciw litorânea e apresenta chuvas abundantes no inverno. Porto fluvial, é moderna e interiorana ao mesmo tempo , com suas ruas centrais traçadas em forma de tabuleiro de xadrez e raias encantadas com luxuosas residências dos grandes proprietários de coqueirais. 
Clima:
Megatérmico úmido e Sub-úmido
Temperatura Média:
26º C
COMO CHEGAR:

Localização:
Cidade Litorânea da Região Leste - Capital do Estado de Sergipe. 
Limites:
Com os municípios de São Cristovão, Nossa Senhora do Socorro e Santo Amaro das Brotas. 
Acesso Rodoviário:
BR-101 e BR-09 
Distâncias:
Da Capital:
1.737 Km de Brasília
Outras:


TURISMO:
Resumo:
Sol, praias e um povo hospitaleiro são ingredientes que tornam Aracaju um pedaço aconchegante desse Brasil. Basta chegar à cidade para que o turista se sinta um felizardo, renovando o corpo e espírito. Que bom saber onde nasceu a cidade! É só subir a Colina do Santo Antônio e do seu alto apreciar um dos mais belos espetáculos protagonizado pela natureza: o encontro do Rio Sergipe, que banha Aracaju, com o Oceano Atlântico.
No centro da cidade são muitas e agradáveis atrações que lhe esperam. A Ponte do Imperador, construída em 1862 para receber a visita do Imperador Dom Pedro II, é uma delas. Depois, numa relaxante caminhada, é ir ao Centro de Turismo onde é comercializado o rico artesanato de Sergipe. Uma visita à Catedral metropolitana vale a pena. E o centro histórico de Aracaju foi revitalizado. O governo do estado ajudou a prefeitura de Aracaju a executar as obras. O passado volta ao presente.
Do centro para a orla marítima são 10 quilômetros. Tudo começa na Coroa do Meio, seguindo-se às Praias dos Artistas, antigo reduto da intelectualidade, e a badaladíssima Atalaia - o maior cartão postal da cidade. Mais ao sul da cidade, as praias que margeiam a Rodovia José Sarney: Aruana, Robalo, Náufragos, Refugio e Mosqueiro. Por toda a orla muita água de coco e uma variedade de deliciosos pratos à base dos frutos do mar.
Principais Pontos Turísticos:
Praias de Aracaju
Águas límpidas com temperatura média de 25 graus são uma constante nas praias de Aracaju. O passeio começa na Coroa do Meio, onde há a praia do mesmo nome e dos Artistas. Depois, chega-se à praia de Atalaia, tradução de um dos mais belos cartões-postais de Aracaju.
O litoral sul reúne outras encantadoras praias. A de Aruana abre esse caminho. O show da natureza segue com as praias do Robalo, Náufragos, Refúgio e Mosqueiro. O banho de mar é seguro. Pode-se andar até 50 metros mar a dentro, sem riscos. As ondas não são altas, o que possibilita às pessoas desfrutar da natureza. Os 30 quilômetros de praia oferecem excelente infra-estrutura.
Barra dos Coqueiros 
Há, ainda, as praias de Atalaia Nova, da Costa e do Jatobá, localizadas na ilha de Santa Luzia (município de Barra dos Coqueiros), a 1 km da capital, separada dela pelo rio Sergipe. Entre mangues, rios e o Oceano Atlântico, o município tem paisagens que deixam qualquer turista encantado. Uma beleza quase selvagem, mas com boa infra-estrutura ainda pouco explorada.
A praia de Atalaia Nova - point nos finais de semana -, tem tudo que o turista procura: bons restaurantes à beira-mar, com os melhores e mais cevados caranguejos do Nordeste; águas calmas e límpidas, sem poluição. As praias da Costa e do Jatobá são apreciadas também por amantes de esportes radicais e da pesca amadora.
Orla de Atalaia 
Um dos principais cartões-postais da cidade, com a Av. Santos Dumont, tem 6 km de extensão, sendo totalmente equipada para o lazer. Tem iluminação especial para banhos noturnos, quadras poliesportivas e um complexo de bares e restaurantes. É um dos principais pontos de concentração da noite sergipana.
Centro Histórico 
Completamente revitalizado, o Centro Histórico de Aracaju é um passeio pelo passado. Os casarões, os mercados Antônio Franco e Thales Ferraz - recentemente recuperados e transformados em centros de cultura e lazer -, a Praça Fausto Cardoso, a mais antiga da capital, o Parque Teófilo Dantas - com sua feira de artesanato -, o Palácio Olímpio Campos, o Centro de Turismo e Museu de Artesanato, a Ponte do Imperador - um ancoradouro construído em 1859 para desembarque do Imperador Dom Pedro II e da Imperatriz Dona Teresa Cristina, que visitaram Sergipe em 1860 -, a Igreja São Salvador - primeira igreja de Aracaju, construída em 1857 -, e a Catedral Metropolitana, com sua cúpula ornamentada com belíssimas pinturas do século XIX, oferecem ao turista uma visão completa de como Aracaju nasceu e progrediu.
Colina do Santo Antõnio
mperdível, também, é uma visita à Colina de Santo Antônio, primeiro aglomerado urbano da cidade, que oferece ao turista uma vista panorâmica de toda Aracaju, do estuário do rio Sergipe e da ilha de Santa Luzia. No local foi realizada a reunião da Assembléia Provincial que definiu a transferência da capital de São Cristóvão para Aracaju. 
No seu ponto mais alto está a Igreja de Santo Antônio, que no dia 13 de junho é tomada pelo povo para homenagear o santo casamenteiro.
Mirante da 13 de Julho
Além da vista panorâmica da ilha de Santa Luzia e do manguezal do rio Sergipe, oferece ampla área de lazer com pistas de skate e bicicross, ciclovia, quadras esportivas e parque infantil.
Parques 
Parque dos Cajueiros
Área verde com parque infantil e quadras de tênis.
Endereço: Av. Beira Mar, s/n - Coroa do Meio
Parque da Cidade
Reserva de Mata Atlântica com lagos, minizoológico, quadras polivalentes, campo de futebol, pista de bicicross, hípica e restaurante.
Endereço: Av. Corinto Leite, s/n - Bairro Industrial
Parque da Sementeira
Com parque infantil, lago com pedalinhos, ciclovia e lanchonete.
Endereço: Av. Beira Mar, s/n
Parque Teófilo Dantas
Área verde no centro da cidade, com riachos e viveiros, galeria de arte (Galeria Álvaro Santos), igreja (Catedral Metropolitana), restaurante e bar. 
Praças
Praça Fausto Cardoso
A mais antiga da capital, servindo de ponto de partida para sua expansão, localizada no centro da cidade.
Praça Tobias Barreto bÁrea verde com viveiros e parque infantil, localizada no bairro São José. Aos domingos realiza-se a Feira da Coruja (feira de artesanato e comidas típicas)
Igrejas
Catedral Metropolitana
A Catedral Metropolitana de Aracaju é um dos mais significativos monumentos da arquitetura religiosa de Aracaju. Construída em 1862, a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição tornou-se Catedral em 1910. Sua arquitetura está ligada aos elementos marcantes do neoclassicismo e do neogótico, sendo tombada pelo Patrimônio Histórico Estadual em 1985. Sua cúpula é ornamentada com belíssimas pinturas do século passado. 
Localização: Parque Teófilo Dantas, Centro
Igreja São salvador
Primeira igreja construída na nova capital, em 1857. 
Localização: Centro da cidade, entre os calçadões das Laranjeiras e João Pessoa
Igreja de Santo Antônio
Localizada na Colina de Santo Antônio, local da fundação da cidade e mirante, de onde se tem uma bela vista de Aracaju e da Ilha de Santa Luzia.
Localização: Bairro Santo Antônio
Igreja São Judas Tadeu
Conhecida como Igreja dos Capuchinhos, fica situada na parte alta da cidade, de onde se tem uma visão 360º de Aracaju. Além de mirante, o Alto dos Capuchinhos é um local utilizado para meditações e preces. 
Localização: Bairro América
Igreja São José
Localização: Bairro São José 
Museus 
Memorial de Sergipe
O acervo do Memorial de Sergipe registra os mais diversos aspectos da história socioeconômica, cultural e artística do Estado. As peças estão dispostas em 14 salas específicas a cada assunto que, no seu conjunto, resgatam e preservam a memória sergipana. 
Endereço: Av. Beira Mar, 626 - Bairro 13 de Julho / Fone: (079) 211-3579 
Horário: 2ª a 6ª, das 10 h às 18 h / Sábado, das 9 h às 12 h
Museu do Artesanato 
Possui acervo dos melhores artesãos sergipanos.
Endereço: Praça Olímpio Campos, s/n. (Centro de Turismo) - Centro / Fone: (079) 214-5023
Horário: 2ª a 6ª, das 8 h às 19 h / Domingo, das 8 h às 14 h
Museu do Homem Sergipano
Mostra a história da evolução do homem sergipano, na inserção do meio ambiente, na cultura e na sua história.
Endereço: Praça Camerino, 227 - Centro / Fone: (079) 214-1700
Horário: 2ª a 6ª, das 8 h às 12 h e das 14 h às 17h00
Centro de Memória Lourival Batista
Em exposição, a vida e a obra do médico e político Dr. Lourival Baptista, um dos grandes homens públicos da história de Sergipe e do Brasil.
Endereço: Álvaro Silva, 89 - Bairro Treze de Julho / Fone: (079) 222-3296
Horário: 2ª a 6ª, das 13 h às 17 h / Sábado, das 9h às 17h30
Oceanário
Endereço: Av. Santos Dumont, s/n - Orla de Atalaia - Bairro Atalaia / Fone: (079) 243-3214 / 223 - 3610
Horário: 3ª a 6ª, das 14 h às 20 h / Sábado, Domingo e feriados, das 12h às 21h 
EVENTOS:
Calendário de Janeiro a Dezembro:
Feira de Sergipe
- Os Municípios sergipanos expõem produtos artesanais e comidas típicas de cada região, o folclore e artistas locais 
Localização: Orla de Atalaia
Data: Janeiro
FENOCON - Feira de Artesanato
- Localização: Parque Teófilo Dantas
Funcionamento: 5ª e 6ª Feira 
Feira da Coruja 
- Localização: Tobias Barreto 
Funcionamento: Domingos 
Feira de Atalaia Velha
- Localização: Nova Orla de Atalaia Velha 
Funcionamento: 4ª Feira a Domingo 
Festas
- Procissão Fluvial do Bom Jesus dos Navegantes
Estuário do Sergipe 
- Data: 1º de janeiro
Desfile do Bloco da Paceria 
-Localização: Orla de Atalaia 
Data: Janeiro
Pré-caju 
- Maior prévia do País. Reúne blocos e trios elétricos do Brasil.
Data: Final de Janeiro
Carnaju
- Data: Fevereiro
Mostra Sergipana de Teatro 
- Data: Março
Aniversário da Cidade 
- Data: 17 de Março 
Tradicional Maratona Cidade de Aracaju 
- Data: 17 de Março 
Paixão de Cristo 
- Encenação dos últimos dias de Cristo, apresentado durante toda semana.
Localização: Alto dos Capuchinhos na Igreja São Judas Tadeu.
Data: Semana Santa - Abril 
Curta-se - Festival Brasileiro de Curtas Metragens 
- Data: Abril
Malhação de Judas
- Localização: Bairros populares 
Data: sábado de Aleluia 
Forrócaju
- Promovido pela Prefeitura de Aracaju, dura o mês inteiro e tem seu auge no dia de São joão, 23 de Junho
Data: Primeira Semana de Junho 
Concurso de Quadrilhas
- Realizado no Centro de criatividade na época dos festejos juninos. As vencedoras se classificaram para o concurso nacional.
Data: Junho
Festa de Santo Antônio
- Igreja de Santo Antônio
Data: 13 de Junho
Forrozão
- Localização: Rua Siriri
Data: Julho
Encontro Sergipano de Corais 
- Data: Julho
Festival de Inverno / Festival de Rock
- Data: Agosto 
Exposição de cavalo Mangalarga Marchador 
- Data: Agosto
Semana Sergipana de Fotografia 
- Data: setembro
Festa do Mole
- Data: Outubro
Encontro Nacional de Coros
- Data: Outubro
Exposição Agropecuária de SE - Exposergipe 
- Data: Novembro
Festa da Padroeira Nossa Senhora da Conceição
- Localização: Orla de Atalaia
Data: 8 de Dezembro
Festas Natalinas
- Data: 24 e 25 de Dezembro
Reveillon
- Localização: Orla de Atalaia
Data: 31 de Dezembro
Festejos Juninos
- Aracaju é famosa pelos festejos juninos e por isso recebe um grande fluxo de turistas nesta época.
A Prefeitura Municipal promove o forrócaju, uma festa que dura todo mês de junho e tem seu auge no dia de são joão.
É montado um palco para as apresentações de quadrilhas e grupos folclóricos e acontece o Concurso de Quadrilhas no centro de Criatividade.
As casas se enfeitam e em todas as ruas de Aracaju se acendem fogueiras. A Rua São João no bairro Santo Antônio destaque pela tradição.
A festa conta com diversos arraiás espalhados pelos bairros que dançam ao som dos mais variados e originais trios de forró. Vários Artistas de renome abrilhantaram a Festa. 
INFORMAÇÕES ÚTEIS:
PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU
E-mail: trabalho@aracaju.se.gov.br
Telefones: (79) 3218-7800 
Sites: http://www.aracaju.se.gov.br/
SUB-PREFEITURA:
E-mail:
Telefone:
INFORMAÇÕES AO TURISTA:
Terminal Rodoviário:
Av. Presidente Tancredo Neves, 6,406, 5 km do Centro, 
Telefone: (79) 3259-2986
ENDEREÇO DO SITE OU PORTAL DA LOCALIDADE:
E-mail:
Telefone:

CARTÓRIOS: CIVIL, IMÓVEIS, TÍTULOS E DOCUMENTOS, OUTROS:
CARTÓRIO DO 4º OFICIO:
R Laranjeiras 450 - Centro
Aracaju, SE | CEP: 49010-000
Telefone: (79) 3214-4842
CARTÓRIO ELEITORAL:
E-mail:
Telefone:
OUTRAS INFORMAÇÕES DE TELEFONES E E-MAILS:
HOSPITAIS:
CORPO DE BOMBEIROS: 193
DELEGACIA DE POLÍCIA:
OUTROS:
E-mails e telefones:
Sites: www.citybrazil.com.br
http://pt.wikipedia.org
http://www.cnm.org.br
PESSOAS ILUSTRES NASCIDAS NA LOCALIDADE:
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Você no Blog Nordestinos Paulistanos
jornalista cidadão.
Envie textos
fotos,
vídeos
Cultura,história da cidade,causos,linguajar,poesia,cordéis e muito mais.

TV Nordestinos Paulistanos

Mais Acessadas