5 de março de 2013


Encontrada no Maranhão, na região do Munim, particularmente nos municípios de Rosário (povoado de São Simão) e Axixá, a Dança do Lelê guarda em muitas de suas características os traços das danças de salão trazidas para o Brasil pelos povos ibéricos. 

É conhecida também como Dança do Péla (péla Porco), associada a um costume antigo de pessoas que se reuniam para matar galinhas e pelar porcos, o que garantia o alimento do dia posterior à festa. É uma dança de salão rica em expressão coreográfica e em cantos, dividida em quatros momentos principais. Outra denominação que lhe é atribuída diz respeito à faixa etária dos brincantes, pessoas de ambos os sexos, em idade madura (70 a 80 anos), o que a faz conhecida como Dança dos Velhos. 

Musicalidade e dança
O acompanhamento musical é feito por um conjunto de instrumentos que inclui o violão, o cavaquinho (ou o banjo) e o pandeiro como instrumentos principais, existindo ainda outros, como: rabeca pífano (ou flauta) e castanholas. Os brincantes reúnem-se em pares, dispondo-se em duas filas, uma de homens e outra de mulheres. O primeiro par é conhecido como cabeceira de cima e o último cabeceira de baixo. 

Há uma pessoa responsável pela coordenação das coreografias, chamada mandante, função que pode ser exercida também pela cabeceira de cima. Os cantos, por vezes, são tirados de improviso, cantados de acordo com o desenvolvimento da brincadeira. Enquanto os homens apresentam uma animada dança, que inclui pulos e sapateados e executam o maior número de passos, gritando "Ielelê!" ou 'Péla!', as mulheres apresentam-se mais sóbrias. 

Apresentações
Por reunir motivações profanas e religiosas, é comum que suas apresentações ocorram de acordo com o calendário das festas católicas, embora não existam datas fixas para isso, podendo ainda ser apresentada como pagamento de promessa. Logo, podemos encontrá-la nos seguintes meses: maio, por ocasião da Festa do Divino da cidade; junho, na festa de Santo Antônio; agosto, na festa de São Benedito; dezembro, por ocasião da festa de Nossa Senhora da Conceição; em janeiro, no dia de Reis; também ocorre no período carnavalesco. Nas apresentações em residências, a despesa corre por conta do dono da casa. 

Partes da dança
A dança se divide nos seguintes momentos: 

Chorado
É o inicio da festa, no qual os pares escolhem-se, formando os cordões. Por intermédio de estrofes cantadas em seis versos, saudando a platéia, apresentando os cantores e tocadores, louvando santos ou criticando os presentes, torna-se uma espécie de convite à festa.
A Dança Grande - marcada por uma coreografia diversificada, cujos passos recebem nomes especiais e na qual os brincantes se cortejam, é a parte mais longa da dança. Os brincantes apresentam-se muito animados e os cantos têm estrofes de quatro versos, envolvendo temas satíricos e diálogos entre os cantadores. 

A Talavera
Deve ser dançada durante a madrugada, caracteriza-se pela dança de braços dados entre os brincantes e constitui-se um dos momentos principais de toda a dança. Os cantos, feitos em estrofes de quatro versos, falam dos motivos da estar na festa, sendo as abordagens geralmente românticas. 

Cajueiro
Marcada por cantos em estrofes de quatro versos, saudando os músicos, o dono da casa e os espectadores, o Cajueiro, última parte da dança, tem coreografia muito variada, conhecida como "juntar castanha e entregar o caju" e acontece logo ao alvorecer.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Você no Blog Nordestinos Paulistanos
jornalista cidadão.
Envie textos
fotos,
vídeos
Cultura,história da cidade,causos,linguajar,poesia,cordéis e muito mais.

TV Nordestinos Paulistanos

Mais Acessadas