2 de maio de 2013

Delta do Parnaíba, Por Marcus Vinícius

Brasão da CIDADE

Praça Santo Antonio foto foto SkyscraperCity nictheroy

Igreja do Rosário foto foto SkyscraperCity nictheroy

Catedral de N.S.da Graça foto foto SkyscraperCity nictheroy

Parnaíba foto foto SkyscraperCity nictheroy

Espaço Cultural Porto das Barcas foto SkyscraperCity nictheroy

LAGOA DO PORTINHO, Por GREGÓRIO COSTA

praia da pedra do sal, Por Gilberto

lagoa do portinho, Por Gilberto

lagoa do portinho, Por Gilberto
História
Antes da chegada do elemento colonizador, a região do Delta do Parnaíba era ocupada por índios Tremenbés, exímios nadadores conhecidos como “peixes nacionais”. Entre os anos de 1571 e 1614, uma série de excurções chegaram a região, atraídas pelas notícias da grandiosidade do rio que cortava a região. Eram navegadores, aventureiros, jesuítas e pesquisadores que desbravavam a região muito antes dos bandeirantes. Conta-se que um destes navegadores, Nicolau Resende, naufragou na foz do rio e perdeu toneladas de ouro, o que o levou a passar cerca de 16 anos na região em busca de seu tesouro.

Na época por causa da Carta Régia de 1701 que só permitia a criação de gado a uma distância de 10 léguas do litoral, a economia da futura província do Piauí era interiorizada uma vez que a pecuária era sua base. Além disso, essa determinação obrigou comerciantes e contrabandistas a usarem o rio Parnaíba como via transportadora já que era inviável o doloroso trajeto terrestre. Diante disso criou-se um entreposto para a guarda de animais e acondicionamento da carne bovina, a esse local foi dado o nome de Porto Salgado ou das Barcas que acabou propiciando o desenvolvimento de uma indústria charqueadora na região e de um dos núcleos que deram origem a cidade de Parnaíba. O outro núcleo gerador da cidade foi o arraial Testa Branca que anteriormente era uma fazenda de gado que não oferecia chances de desenvolvimento.

Em 20 de setembro de 1759, João Pereira Caldas, o então governador da província do Piauí, fundou a vila de São João da Parnaíba e misteriosamente escolheu como sede o arraial Testa Branca, com a promessa nunca cumprida de que fossem construídas 59 casas o que acabou gerando insatisfação nas comunidades adjacentes do Porto das Barcas.

Em 1769 a Câmara, instalada na região portuária que administrava a vila proibiu a construção de novas edificações em Testa Branca e no ano seguinte, o governador Gonçalo Botelho de castro, transferiu definitivamente a sede para o porto. Foi também em 1770 que iniciou-se a construção da Igreja de Nossa Senhora Mãe da Divina Graça que hoje é uma das poucas catedrais em estilo barroco do Estado.

Independência

Com o decorrer do tempo a vila ganhou destaque, desenvolveu-se, tornou-se um centro de difusão de cultura e de novas ideias por concentrar uma “elite intelectual” que começava a querer intervir na política nacional. Por vezes as notícias chegavam antes na vila do que na capital e foi neste contexto que Simplcio da Silva, rico fazendeiro e homem de prestígio, no dia 19 de outubro de 1822, proclamou adesão da vila a independência da colônia. Por ter sido a primeira Vila do Norte do Brasil a proclamar a Independência, Parnaíba foi agraciada pelo Imperador Dom Pedro I, com o honroso título de “A Metrópole das Províncias do Norte” e Simplício Dias da Silva convidado a ser o primeiro Presidente da Província do Piauí.

Prevendo que o movimento da independência poderia fazer Portugal perder sua mais rica colônia, o monarca mandou o general Fidié e suas tropas para Oeiras para conter tal movimento e caso contrario pelo menos preservar o Norte da colônia. Quando as notícias de que a independência tinha sido proclamada no litoral do Piauí, Fidié e suas tropas deslocaram-se para a vila de S. João da Parnaíba, mas ao chegar os revoltosos haviam se refugiado nas cidades vizinhas e Oeiras agora era quem declarava sua independência.

No percurso de volta a capital as tropas portuguesas foram surpreendidas com populares armados de pedras e paus, evento conhecido como a Batalha do Jenipapo em Campo Maior. Fidié apesar de ter ganho a batalha, tinha suas tropas enfraquecidas e em vez de ir a Oeiras, foi a Caxias para poder reorganiza-las, porém quando chegou nesta cidade foi cercado por tropas a favor da independência e teve que se render. Hoje, no dia 19 de outubro comemora-se o dia do Piauí.

A Confederação do Equador

Outro movimento político ao qual Parnaíba aderiu foi a Confederação do Equador, que ocorreu no dia 25 de Agosto de 1824. De Pernambuco à Parnaíba, o regime, agora, era o republicano. Mas, as forças do Imperador desmontaram essa confederação e os republicanos, em várias Províncias, foram enforcados ou fuzilados. Vários parnaibanos foram presos.

A elevação como cidade

No dia 14 de agosto de 1844, a vila foi elevada a categoria de cidade pela lei nº 166 promulgada pelo então governador José Idelfonso de Souza Ramos. A essa altura Parnaíba tinha referências na Europa e no mundo.

Praça da Graça

Este logradouro era o maior ponto de encontro da cidade, é nela que se localiza a Casa Grande, residência de Simplicio dias da Silva e a Catedral-Matriz de Nossa Senhora Mãe da Divina Graça construída em 1770 em estilo barroco, porém hoje descaracterizada pela reforma de 1936, promovida pelo Mons. Roberto Lopes.uma curididade é que a praça da graça era dividida em duas a do lado da igreja da matriz e a do lado do igreja do rosario depois foram unificaadas.

Casa Inglesa

A Casa Inglesa, foi dirigida por Paul Robert Singlehurst, o “Paulo Inglês”, que se estabeleceu no Brasil em 1849. Ele foi o primeiro a trazer para o país tratores, motores e jeeps. Mais tarde, em 1884, James Clark tornou-se dono único, este foi responsável por inserir a cera de carnaúba no mercado internacional e por fornecer produtos a base de petróleo, equipamentos e instalação elétrica para 153 municípios do Piauí, Maranhão e Ceará.

Naquela época, o terraço da casa inglesa era famoso pelas festas que concentravam a elite da cidade. Hoje a casa é um hotel totalmente mobiliado com móveis antigos.

Fonte: wikipedia
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Você no Blog Nordestinos Paulistanos
jornalista cidadão.
Envie textos
fotos,
vídeos
Cultura,história da cidade,causos,linguajar,poesia,cordéis e muito mais.

TV Nordestinos Paulistanos

Mais Acessadas